quarta-feira, outubro 27, 2004

Não leve o personagem pra cama

Dia desses, navegando pelo austero universo varzeano chamado INTERNET, descobri algo muito interessante, que deve existir há séculos, mas apenas agora tomo conhecimento. Algo chamado FANFIC, em que jovens entusiastas dos quadrinhos soltam a imaginação, e criam as menos incríveis histórias de seus personagens prediletos. Talvez entorpecidos pela falta de criatividade do meio, os fãs criam historinhas cheias de clichês e com caracterizações bem sem vergonha de personagens nem sempre clássicos.

Mas o conceito não deixa de ser interessante. Fiz muito disso quando era moleque, mas era muito mais legal porque também desenhava, e não ousava mostrar pra ninguém, então ninguém tinha a chance de achar escroto - apenas eu mesmo, anos depois.

Claro que eu tive meu lado comercial. Desenhei muita historinha sacaneando os coordenadores que tive no colégio, alguns professores babacas e uma porção de coleguinhas problemáticos. Era o hype da hora do recreio. Mas quanto às aventuras dos meus heróis preferidos, sempre tive o bom senso de privar o mundo delas.

A internet virou essa farra, em que tudo quanto é porcaria amadora é publicada, e isso é muito legal. É um barato ver as criações vexaminosas dos outros, e ainda poder apertar um botãozinho e tirar a maior onda com a cara do sujeito.

Bom, todo esse oba-oba pra dizer que apresento aqui uma fanfic. Alguém sem noção, com o ego do tamanho de um leitão, provavelmente chamaria isso de conto, ou coisa parecida, mas eu tô ligado, e chamo de fanfic.



KAJURU vs. GAROTO-SACO

Kajuru jamais viu um jogo de futebol até o fim. Kajuru jamais entendeu absolutamente coisa alguma sobre o fino esporte bretão. Tudo o que ele queria era um pouco de atenção.
Jorge Kajuru estava curtindo um ostracismo longe demais das capitais, se divertindo falando merda para quem quisesse ouvir (e ninguém queria). Ele estava na menor retransmissora da menor televisão, e inventava polêmicas furadas que se perdiam no vento.

Com a respiração ofegante, alguém ligou para o seu celular durante o programa. Era José Luiz Datena. Agora que não era assistido por ninguém, Kajuru não fazia a menor cerimônia e atendia seu celular durante o próprio programa. Às vezes, quem estava do outro lado da linha acabava participando das discussões sem que o telespectador - que, é bom lembrar, não passava de um mero ser hipotético, ficasse a par de coisa alguma.

Seu amigo Datena, a quem carinhosamente tratava como "Fenômeno", lhe contava com muito suor, sangue e lágrimas, na entonação típica de seu noticiário policial do chá das cinco, que havia descoberto um vagabundo que andava tirando fotos escondendo o rosto - e as publicando na internet.

Kajuru ficou extasiado. Se ele deseja permanecer incógnito, então qual o motivo de publicar fotos suas na grande rede? O que esse safado teria a esconder? Com seu tradicional caminhar remetendo ao Pingüim de 'Batman, O Retorno', Kajuru pediu à contra-regra de seu programa - a ex-sósia da Marlene Mattos do Pânico na TV, que lhe ajudasse a entrar no site do impertinente rapaz.

Pela primeira vez em um fotolog, Kajuru estranhou muito a disposição das informações. Ele via um monte de fotinhos pequenas à esquerda, uma foto maior de um rapaz com um saco na cabeça e com um texto grande demais para seu intelecto no meio, mais vários textos menores abaixo, esses precedidos por estranhos nomes verdes sublinhados, ao lado de números que pouco sentido faziam na mente do polêmico não-homem/jornalista, e à direita mais fotinhos pequenas, mas de pessoas sem saco na cabeça.

A essa altura, Kajuru já transpirava, e praguejava como há muito não se via, literalmente. Não lhe entrava na cabeça como alguém poderia permitir que um sujeito truculento o suficiente para usar um saco na cabeça e esconder sua identidade pudesse ter suas fotos veiculadas com tanto sucesso na internet.

Retornou a ligação para seu querido Fenômeno. Combinaram de levar o caso ao Ministério Público. Datenão trataria do assunto em seu polêmico show. Kajuru então notou que havia um espaço para deixar mensagens para o controvertido mancebo com saco na cabeça. Começou a escrever a mensagem, mas quando finalmente apertou enter todos os espaços já haviam sido ocupados. Transpirou e praguejou mais um pouco, e foi dormir.

No dia seguinte, dedicou um beiço e um cascudo ao jovem com 'um saco no lugar da idoneidade'. Ninguém viu. Já o programa do Datena passava por um momento melhor, e algumas pessoas viram os impropérios sobre as fotos circulando na internet. Um velhinho ligou indignado, agradecendo o apresentador pelo excelente trabalho prestado à comunidade brasileira. Essa vergonheira tinha de acabar.

Dessa vez, Kajuru pediu para que sua contra-regra digitasse a mensagem, para assim ganhar uma agilidade maior no envio da mensagem, que era a seguinte: "Garoto Saco, mostra a cara, vagabundo. Eu te respeito como ser humano, mas não como profissional. Seu safado. Atenciosamente, Jorge Kajuru".

Criou-se um certo bafafá na comunidade cultural da nação. Algumas celebridades maliciosas começaram a ventilar que elas eram o Garoto Saco. Havia um grupo que acreditava ser mais uma armação do programa do João Kléber, ou talvez da Márcia. Só que isso não durou nem duas horas.

Toda a polêmica acabou quando o Garoto Saco adicionou o Kajuru como amigo no Orkut. A lista do narigudo apresentador agora contava com 3 amigos, o Garoto Saco, o Datena e a Puta. Kajuru, que botou a puta na sua crush list, e espera até hoje um recadinho de reciprocidade no Orkut, ficou emocionado e tratou de acabar com o rolo. Ligou para o Datena, que também se desculpou no ar, e também adicionou o Garoto Saco como amigo. As intrigas e conchavos eram parte do passado.

Comentários: Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]



Links para esta postagem:

Criar um link



<< Página inicial

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Assinar Postagens [Atom]